Figuras da Nossa Terra

Vítor,”Ganito”

Foi uma figura típica. Fruto de alguma debilidade mental era propenso a diversas peripécias que na altura faziam rir aqueles que com eles privavam. Uma delas, em período carnavalesco, alguém lhe vestiu uma farda militar com divisas de oficial. Alto e com pose descontraída, recebia dos agentes policiais que por ele passavam a devida vénia à patente que ostentava. Intrigados com a falta de reciprocidade no cumprimento e indecisos sobre a verdadeira identidade foi ,a muito custo, que lhe solicitaram a documentação.

Timóteo,”Pestana”

Foi uma figura típica. Embora não saibamos do seu paradeiro, julgo ainda estar vivo algures em França. Foi precoce em quase tudo. De compleição física franzina, era senhor de uma “folha de serviço” que enredava com a sua lábia, muitos daqueles que com ele privavam. Era propenso a inventar coisas sem nexo, sendo uma delas, agora vista á distância uma premonição, quando afirmava:
– A minha avó tem uma lente em que se vê as tripas!
Seria um aparelho de ecografia ? Isto passa-se em meados da década de 60. Nessa altura julgo, ainda não tinha sido descoberto tal aparelho.
Tinha uma característica particular que era pestanejar com muita frequência. Talvez estivesse associada ás mentiras que proferia, daí lhe terem posto a alcunha de “Pestana”. Naquela altura, já conhecia indivíduos de locais afamados, que metiam algum “respeito” – Ponte, Palhotas e Sé. No nosso meio, não era um herói pois, conhecíamos as suas fraquezas, mas não deixava de ser “p’rá frentex”. Da nossa idade, foi dos primeiros a começar a fumar e a “produzir” cigarros com mortalhas. A certa altura apareceu com uma dança esquisita a que chamava “sheik” e julgo ter sido dos primeiros a provar as francesinhas da Portugália. A história mais rocambolesca que ele inventou, foi ter dito na rua, que o Camões e o Mário se tinham afogado na Ponte do Bico. O autor destas linhas e o Camões, ao chegarem ao largo da Senhora-a-Branca, descansadinhos, com os calções na cabeça, depararam-se com um alvoroço enorme lá para os lados de S. Victor. O pai do Camões, na motorizada a caminho do Hospital e a minha mãe aflita por noticias que confirmassem ou não o meu afogamento.
Por esta invenção, o Camões teve um castigo que não merecia e o Timóteo teve que se refugiar no barbeiro durante horas, com o povo á porta para lhe aplicar o correctivo adequado.