Textos & Opiniões

Faz-nos chegar os teus textos sobre assuntos de interesse comum, fotos, histórias e opiniões sobre a actividade da associação. Envia-nos um EMail.


Textos


Resenha Histórica da freguesia de São Victor

por: José Braga

A freguesia de S. Vítor deve o seu nome, segundo a tradição e alguns escritos antigos, ao facto de ter sido aí, numa aldeia junto ao rio Este, que nasceu, no último quartel do séc. III, S. Vítor ( S. Vitouro, S. Vitoiro, S. Vitorio), que viria a ser martirizado, na flor da idade, na época das perseguições de Maximiano ou Diocleciano, imperadores de Roma.
Este mártir bracarense, mencionado no Martirológio Romano, ter-se-ia recusado a adorar um ídolo, tendo professado, com grande constância, a sua fé em Cristo, o que conduziu à sua decapitação no lugar de Goladas, nos princípios do séc.IV.
A igreja de São Victor foi fundada no séc.VII, mas antes disso foi mosteiro dos beneditinos, fundado por S.Martinho de Moure, vindo depois a ser destruído pelos árabes.
Este e outros dados atestam a sucessiva ocupação do local por várias civilizações. Num passado mais recente(finais do séc.XIX), assumiu esta freguesia um papel de relevo no desenvolvimento industrial do concelho de Braga.
Para se ter uma melhor ideia, a par das grandes industrias(chapelaria,fiação e tecelagem,entre outras) situadas no extenso bairro que ia da Senhora-A-Branca aos Peões, cada casa era também uma pequena oficina de actividades artesanais. A Saboaria e Perfumaria Confiança fundada em 1894 ainda hoje se mantém em laboração.


Actividades Culturais/Teatro

por: Sebastião Fernandes

Vários membros desta associação, fizeram parte activa em diversas actividades realizadas no âmbito da paroquia, sempre com o apoio directo do Monsenhor Ferreira da Silva e a orientação do grande mestre artístico o inesquecível Sr. Palha ( pessoa de uma capacidade para representar, que nos deixava maravilhados a todos, nos nossos ensaios por ele orientados), foram várias as peças de teatro realizadas com o Salsa Parrilha;Manel Ceguinho; Záza filha Záza burra; e também alguns diálogos e monólogos.
Estas actividades decorriam no Salão da Paroquia, além das sessões de cinema e também iam representar para fora como aconteceu uma vez no Salão dos Bombeiros, na Póvoa de Lanhoso.
Como sabeis, muitas destas peças de teatro citadas, se realizaram na década de sessenta e uma das razões para esta actividade, era realizar fundo para a construção de muitas melhorias, algumas das quais o ringue no quintal da residência paroquial, aonde nós nos divertimos e jogávamos à bola, entre outras coisas, como arrancar tronco de couves para fazer a limpeza para os trabalhos iniciarem, mesmo assim tínhamos sempre muita animação, festas, etc.
Digo, e sem qualquer despudor, que esta actividade de teatro enriqueceu muitos de nós, não só em representar e fazer as leituras dos textos – é de lembrar que a cultura não estava ao alcance de todos, afinal, como hoje ainda não está, mas há com certeza maior facilidade – como nos foi possível enriquecer o nosso vocabulário, conhecendo novos termos usados no teatro tais como: cena;ponto;orquestra;bastidores;camarins;boca do palco; e as três pancadas de Molière;etc. E talvez um gosto pelo teatro difícil de explicar. Mas propiciou espectáculos à nossa gente da época, muito do agrado pelo entusiasmo demonstrado, em especial pelas comédias satíricas que arrancava grandes gargalhadas aos assistentes. Não sei se os autores das peças era Almeida Garrett, Shakespeare ou Gil Vicente, mas sei que todos os actores eram amadores, mas muito bem orientados. Como dizia acima, alguns estão presentes na associação e participam, outros, por circunstâncias da vida, ainda não, por desconhecimento da sua existência, ausentes ou separados. Temos todos mais uma possibilidade de arrastá-los para o nosso convívio falando deste tema e de outros da nossa infância.


Nota:Existe outros temas que podem ser abordados com o coro de São Victor, os Escuteiros onde muitos de nós também fazem parte.


Opiniões


David Luciano Silva em 12/Julho/2011 via email


Em primeiro lugar quero saudar todos aqueles que durante estes anos têm contribuido com a sua presença nos encontros anuais, ao mesmo tempo quero também recordar todos aqueles que já partiram, mas que não deixaram de estar espiritualmente entre nós nesse dia, em particular o Encontro deste Ano foi talvez por ser a minha 1ª vez o que me deixou com ansiedade para que o 10 de Junho de 2012 chegue depressa, não sendo “Dominguista”(morador da Rua de São Domingos) praticante, desculpai a expressão embora me tenham dito que a minha mãe já lá morou, a Rua também me pertence um bocadinho, talvez pelo convívio que teve com alguns Rapazes da minha mocidade(saudades da escola do Magistério), hoje Homens de família, eu sou um dos aderentes a esta Associação a qual me tornei Associado, a todos vos quero dizer que devemos preservar este Convívio Anual pelo prazer de conviver, este ano surgiu a ideia do Hino, pelo menos já temos um poeta-Letrista que acho que na minha modesta opinião que vai dar cartas o ZÉ MARIA, a todos os outros isto também é um incentivo ter orgulho na freguesia que nos viu nascer, e aqui também quero desde já deixar uma palavra de apreço a toda a Direcção que tem contribuido para que as coisas tenham funcionado no bom rumo e também a todos aqueles que embora não sendo Dirigentes tem ajudado com a sua colaboração a Todos Bem Haja.
Por hoje vou terminar desde já até ao próximo 10 de Junho de 2012 para todos aqueles que não tenho o prazer de conviver com eles durante o ano, aos outros que permanentemente me encontro um breve até logo.


David(Bombeiro)


Armindo Coutinho em 28/Julho/2006 via email


Obrigado pelo envio do site. Está muito bom.


Sebastião Fernandes em 16/Junho/2006 via email


Além de ter já dado os parabéns…passo também a dar-te algumas dicas, para melhorar, segundo o meu pensamento e que notei, segundo o meu critério, possibilidade de engrandecer o site, passo a citar algumas:

  • Ter uma sub-página que aborde todos os encontros já realizados(almoços de confraternização, em especial) com indicação do número de participantes e se possível recolher algumas fotos para relembrar(sei que requer tempo e meios, mas sei que tu já demonstraste essa façanha);
  • Aproveitar o assunto acima e recolher de todas as ementas as larachas de animação do Zé do Pífaro, algumas têm muita Pimenta;
  • Falar também pelos grupos criados pela nossa gente: desde o São Domingos,Mundiais,Panteras,Ladinos e grupo Recreativo, etc.
  • Fazer uma resenha, sobre as peças de teatro realizadas para angariação para o ringue e Centro Cultural(aqui o filho do Sr.Palha era importante que desse a sua participação, agora não sei como contactá-lo, é que não sei!!!).
    A rubrica, FIGURAS DA TERRA: dá-te muito pano para mangas, gostei como descreveste a peripécia do Vítor Tolo.

Esta é uma simples participação minha, para poderes, se assim o entenderes, melhorar o site que criaste.

Um forte abraço e até sempre AMIGO. As minhas cordiais saudações.


Adolfo C.Oliveira, “Mi” em 28/Abril/2006 via email


Bem hajam, nos tempos que correm bom será dizer que esta é uma iniciativa(a da criação do site) de inegável valor.

…Parabéns por darem corpo a esta associação, da qual me orgulho de fazer parte. Os meus sinceros cumprimentos e a minha disponibilidade no que me for possível.